Publicado em 8/5/2013 9:55:58 AM

Projetos de reassentamento incluem equipamentos públicos para atender moradores

Foram destinados R$ 5,6 milhões para implantação de creches, escolas e unidades da FAS em conjuntos da Cohab

Assim como a Unidade de Atendimento da Fundação de Ação Social (FAS) inaugurada na semana passada pelo prefeito Gustavo Fruet no Moradias Corbélia, mais cinco equipamentos públicos foram construídos com recursos contratados pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) para complementar outros projetos de reassentamento de famílias de áreas de risco. Somadas, as seis instalações representam investimentos de R$ 5,6 milhões.

“Os projetos incluem escolas, creches e unidades da FAS, estruturas que garantem uma vida melhor para as famílias reassentadas. Além disso, os equipamentos implantados também podem ser utilizados por toda a população do entorno dos conjuntos”, diz o presidente da Cohab, Ubiraci Rodrigues.

O Moradias Corbélia, conjunto com 555 unidades habitacionais, foi construído para abrigar famílias que foram transferidas de situações precárias em áreas de risco na bacia do rio Barigui. No local, além da unidade da FAS, a Cohab construiu uma escola de 1ª a 4ª série e uma creche com capacidade para 150 crianças. Os três equipamentos somados representam investimento que ultrapassa os R$ 3 milhões, recursos do governo federal e da prefeitura.

No Moradias Arroio, empreendimento de 334 moradias destinado ao reassentamento de famílias da bacia do rio Formosa, está em funcionamento um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), e se encontra em fase final de obra um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI). Para construção do CRAS foram investidos R$ 94,8 mil, enquanto o CMEI custou R$ 736,1 mil, recursos contratados pela Cohab.

Já na Vila Parolin, onde está em andamento um projeto de urbanização que atenderá 1.507 famílias, a intervenção com recursos do programa habitacional incluiu a construção de uma escola de 1ª à 4ª série, que já está em funcionamento com 14 salas de aula. A obra significou um investimento de R$ 1,73 milhão.

Demanda - A demanda por equipamentos públicos nos locais de reassentamento é detectada por meio de um estudo nas áreas, antes do início dos projetos. A intervenção é realizada de forma integrada por diversas secretarias vinculadas ao poder municipal. Em princípio, técnicos da Cohab cadastram as famílias e colhem informações como renda, composição familiar, faixa etária dos moradores, escolaridade e condição de trabalho dos chefes de domicílios.

Em seguida, profissionais do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) realizam uma pesquisa em conjunto com as secretarias de Saúde, Educação, Abastecimento, além da Fundação de Ação Social (FAS) para saber se os equipamentos públicos de determinada região são suficientes para suprir a demanda da população após a chegada dos novos moradores.

Quando é diagnosticada a carência de equipamentos na região,  os projetos habitacionais incorporam a construção dos equipamentos necessários ao atendimento da comunidade. No caso dos Moradias Arroio, Corbélia e da Vila Parolin, o recurso está incluído na proposta habitacional. Em outros conjuntos, a implantação dos equipamentos necessários é feita com verba complementar da Prefeitura.

“Não basta retirar as famílias da beira do rio e reassentar em novas casas. Para assegurar qualidade de vida a esta parcela da população é preciso promover o acesso aos serviços públicos. Por isto a Cohab trabalha em parceria com diversas secretarias municipais, e inclui nos seus projetos a construção dos equipamentos”, finaliza o presidente da Cohab, Ubiraci Rodrigues.

« voltar
 

Rua Barão do Rio Branco, 45 - Centro - Curitiba - PR | CEP: 80010-180 | Fone: 0800-413233 - (41) 3221-8100

Desenvolvido por GPA'prospera