Publicado em 2/3/2014 5:06:06 PM

Complexo habitacional em obras conta com 10% de operários haitianos

Dos 230 trabalhadores que atuam na construção de 895 moradias no Cachoeira, 21 vieram do Haiti

A construção de 895 moradias na região norte de Curitiba está proporcionando oportunidade de trabalho para 21 cidadãos haitianos. Eles representam quase 10% dos 230 operários que atuam nas obras dos Residenciais Pinheiros, Paineiras, Cedros e Figueiras, no bairro Cachoeira, conjuntos que fazem parte do programa habitacional do município. As unidades estão sendo contruídas com recursos do programa Minha Casa Minha Vida e serão destinadas para famílias da faixa 1 do programa (renda até R$ 1,6 mil) e também da faixa 2 (renda entre R$ 1,6 mil e R$ 3,275 mil).

Desde 2010, quando um forte terremoto devastou o país caribenho, o fluxo migratório de haitianos para o Brasil cresceu bastante, em virtude da maior oferta de trabalho e melhores salários encontrados aqui. Segundo dados do Ministério da Justiça, eles já são mais de 21 mil trabalhando em situação regular no país. Em Curitiba, de acordo com estudo da Pastoral do Migrante, 2 mil haitianos estão ganhando a vida, principalmente na construção civil.

Recomeço
Wid Saint Louis, 24 anos, chegou no Brasil pelo Acre há nove meses. Desde a semana passada está trabalhando como servente de pedreiro na construção do Residencial Cedros. No Haiti ele concluiu o curso de eletricista, porém o diploma não tem validade aqui. "Esta é das maiores dificuldades, os cursos que fizemos lá não valem nada aqui", afirma em português truncado.

Entre os 21 haitianos do canteiro de obras, além do eletricista Wid, há bombeiro, carpinteiro, pintor, entre outros profissionais, contudo, aqui todos começam como serventes. "Para acomodá-los em outras funções eles precisam passar por uma fase de experiência de três meses, período em que deverão mostrar que são aptos para o trabalho em questão", explica Eduardo Sanches, que é um dos engenheiros da empresa responsável pelas obras.

Sanches afirma que a empresa vai oferecer treinamentos práticos para aqueles que desejarem ocupar outras funções. "Vamos ensinar a mexer com hidráulica, elétrica e alvenaria. Eles são muito dedicados, estão aqui para aprender e trabalhar. Não fazem corpo mole", ressalta.

O principal obstáculo é a comunicação, pois no Haiti eles falam francês e crioulo. No canteiro de obras Wid está entre os que melhor entendem o português, mas ainda encontra dificuldades para se expressar. Assim como os demais, ele envia parte do que ganha para os familiares que ficaram na terra natal. "Estamos aqui para ajudar nossas famílias que ficaram lá", diz Wid.

Salário
No Haiti o salário mínimo equivale a pouco mais de R$ 100 mensais, portanto os R$ 980 que recebem como serventes pode ser considerado satisfatório. Perguntados sobre o tempo que desejam permanecer trabalhando no Brasil, a resposta foi unânime: "em definitivo".

Apesar do salário de R$ 980 ser considerado bom, eles tem a chance de crescer na empresa. Um profissional com formação passa a ganhar R$ 1,3 mil. É o que deseja Gerson Pasteur, 40 anos. "Sou carpinteiro, marceneiro e também sei trabalhar com pintura. Quero conseguir atuar com o que sei para poder ganhar mais", explicou em uma mistura de português com espanhol.

Complexo Habitacional
O complexo onde trabalham os haitianos é formado por quatro conjuntos em obras no bairro Cachoeira, na divisa com o Santa Cândida. O Residencial Pinheiros, com 127 casas térreas, será destinado para famílias da faixa 1. O conjunto representa investimento de R$ 6,8 milhões.

Os residenciais Cedros, com 544 apartamentos, Figueiras (80 apartamentos) e Paineiras (144 apartamentos) vão atender inscritos na fila da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) pertencentes à faixa 2. Somados, os três conjuntos significam investimentos de R$ 72,6 milhões, recursos do programa Minah Casa Minha Vida.

« voltar
 

Rua Barão do Rio Branco, 45 - Centro - Curitiba - PR | CEP: 80010-180 | Fone: 0800-413233 - (41) 3221-8100

Desenvolvido por GPA'prospera