Publicado em 5/2/2014 5:52:34 PM

Projetos de reassentamento de famílias garantem mais do que moradia digna

Atuação integrada de diferentes secretarias possibilita inserção dos cidadãos à cidade

Os projetos de reassentamento de famílias que vivem em áreas de risco social não se restringem a oferecer moradia de qualidade à população atendida. Além de retirar os moradores de residências precárias, o programa habitacional do município garante outros serviços aos beneficiados, com diferentes secretarias trabalhando de forma integrada.

“O trabalho não termina quando entregamos as novas moradias, pois as comunidades que saem de ocupações irregulares possuem outras necessidades que não se resumem a falta de uma casa digna. Atuamos de forma integrada com outras secretarias para que no final do processo as famílias estejam totalmente inseridas na rotina da cidade”, afirma o presidente da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab), Ubiraci Rodrigues.

Nesta quarta-feira (30), moradores dos conjuntos Boa Esperança e Cerâmica, no Tatuquara, participaram de uma atividade que exemplifica a atuação intersetorial dos projetos coordenados pela Cohab – uma roda de conversa semanal para tratar dos anseios da comunidade, na qual participam convidados de diferentes secretarias.

Os moradores locais foram reassentados de áreas de risco para os novos empreendimentos, mas ainda não contam com associação de moradores. Após o tema ter sido levantado em uma das rodas de conversa, técnicas da Cohab convidaram o assessor João Pereira, da Secretaria Municipal de Relações com a Comunidade, para orientar os moradores.

“Fundar associação é muito importante para organizar e unir os moradores de uma comunidade. Funciona como um elo entre a população e o poder público. Vim aqui para orientar as famílias principalmente em relação às exigências burocráticas solicitadas para legalizar entidades como clube de mães e associação de moradores”, disse Pereira.

A dona de casa Maria Nazaré dos Santos, 57 anos, foi transferida para o conjunto Boa Esperança após ter sofrido por dois anos na ocupação irregular conhecida como Vila Xisto. “Nós já conseguimos a casa, que foi uma grande vitória, mas ainda tem muita luta pela frente. A mudança foi um recomeço e não o final da história. Com o apoio da Cohab e da Prefeitura vamos montar a associação para representar nossa comunidade”, ressalta.

Integração
Trabalhar de maneira integrada é a principal diretriz dos Projetos de Trabalho Técnico Social (PTTS) coordenados pela Cohab. A atuação conjunta começa desde a elaboração do projeto, quando são definidas as atividades que cada secretaria vai realizar. O trabalho social acontece antes, durante e também depois da mudança das famílias.

A Cohab coordena os projetos e é responsável pela intervenção física nas áreas, com as obras de construção de moradias e implantação de infraestrutura em locais que passam por urbanização. Também faz toda a articulação com as demais secretarias envolvidas no processo.

Realiza o primeiro contato com as lideranças comunitárias para apresentar a intervenção e faz o mapeamento e cadastramento das famílias que serão atendidas. Em seguida executa visitas domiciliares, faz reuniões comunitárias e plantões semanais para esclarecer dúvidas. Após a conclusão das obras, também fica a cargo da Cohab a organização da mudança das famílias.

Cursos
A Fundação de Ação Social (FAS) oferece toda a estrutura de serviços e programas dos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) e apresenta como incremento a oferta de cursos de capacitação profissional e geração de renda nas comunidades, para possibilitar aos moradores melhores condições de sustentar suas famílias após receberem a casa nova.

Os cursos acontecem na própria comunidade, em igrejas, associações ou nos próprios CRAS. Os técnicos da Cohab, no momento em que cadastram as famílias, encaminham os moradores para as atividades, como auxiliar de pedreiro, azulejista, porteiro e zelador de edifícios, jardinagem, auxiliar de cozinha, salgadeiro, confeiteiro, montagem de bijuterias e acessórios, entre outros.

Questão ambiental
O componente ambiental é parte importante dos projetos de reassentamento de famílias. As margens de rios que são desocupadas após a transferência dos moradores passam por obras de recuperação ambiental, com plantio de árvores e implantação de canchas esportivas e equipamentos de lazer.

Mas o trabalho ambiental não se resume a obras. Ações educativas são realizadas por técnicos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente tanto na área de origem das famílias como também nos novos empreendimentos que elas passam a habitar. São abordadas questões como o cuidado com o lixo, guarda responsável de animais domésticos, implantação de hortas individuais e comunitárias, plantio de mudas de árvores, entre outras.

“Aprender a se relacionar com o meio ambiente é fundamental para que estas famílias ganhem qualidade de vida. Em muitos locais, as pessoas são acostumadas a jogar lixo direto no rio. A conscientização que é feita em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente ajuda a mudar a maneira como estas pessoas enxergam a cidade”, diz o presidente da Cohab.

Algumas ocupações concentram pessoas que trabalham como coletores de materiais recicláveis. Com eles é feito um trabalho especial de orientação para que não acumulem muito material em casa. Eles são capacitados a realizar a adequada coleta, separação e organização dos materiais, além de receberem informações sobre saúde no trabalho. Nas áreas em que existem barracões, os coletores são encaminhados para o projeto EcoCidadão.

Reinserção
Em alguns projetos, as famílias deixam uma ocupação irregular situada em determinada regional e são transferidas para as casas novas que ficam em outra regional. As secretarias de Saúde e Educação acompanham as realocações para reinserir os cidadãos nas unidades de saúde, CMEIs e escolas da região para onde se mudaram, além de incentivar a participação nos cursos de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Da mesma forma, a Secretaria do Abastecimento cadastra os moradores no Armazém da Família mais próximo, onde são comercializados produtos alimentícios e de higiene por valores mais baixos que no mercado formal. Também oferece oficinas de economia doméstica e aproveitamento total dos alimentos, além de fomentar a troca de resíduos recicláveis por hortifrutigranjeiros, o “Câmbio Verde”, em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente.

“Trabalhar com habitação é mais complexo do que muita gente imagina. Pouco adianta retirar uma família da beira do rio e simplesmente entregá-la uma casa nova. Existem outros aspectos importantes para que a vida destas pessoas ganhe um novo rumo. A Cohab, com apoio das demais secretarias, procura reunir estes aspectos para garantir efetivamente uma vida melhor para estas pessoas”, encerra Rodrigues.

« voltar
 

Rua Barão do Rio Branco, 45 - Centro - Curitiba - PR | CEP: 80010-180 | Fone: 0800-413233 - (41) 3221-8100

Desenvolvido por GPA'prospera